Quem disse que o silêncio era de ouro estava a dizer um completo disparate. Aquilo que tem a dizer é o que a distingue do resto da multidão. Não existe método mais rápido de fazer amigos, de ganhar respeito e de fazer as coisas à sua maneira.

56 Adolescentes - Adolescentes

Adolescentes

Estes são mais complicados, porque fingem que não querem conversar. Eles querem que pense que preferiam estar a arder no Inferno, ou pelo menos no seu quarto sombrio a fumar erva, do que naquele evento. Mas, se os ignorar, eles sentir-se-ão deslocados. Qual é a regra número um? Seja normal, não os pressione e nunca tente parecer estar na mesma onda que eles. Isso vêem eles a milhas de distância. Veja o Ben Stiller em Um Sogro do Pior, se necessita de ser convencida.

Republished by Blog Post Promoter

61 Nomes1 - Nomes

Nomes

Em nenhuma circunstância deve usar nomes íntimos em público quando se dirige ao seu companheiro. Não só parecerá uma criatura patética, como arrisca a que aqueles que não têm o seu próprio “gatinho fofinho” se sintam tristes, solitários e depois zangados. É especialmente difícil manter o crédito na rua quando se refere a si como “coelhinha”. É claro que por vezes nos esquecemos. O lapso ocasional pode ser simpático, mas mais que isso já é abuso.

Republished by Blog Post Promoter

58 Estrangeiros - Estrangeiros

Estrangeiros

Os estrangeiros ficam limitados na conversa porque, por vezes, podem não se saber falar outra língua, mas no mundo moderno há que tentar conhecer, pelo menos superficialmente, as pessoas. Se não consegue dizer algumas frases na língua do outro, pelo menos elogie o seu país de origem, se já lá esteve, e descubra mais se nunca lá foi (mas não faça perguntas parvas como: “Conhece o meu primo que vive nas montanhas?” ou “Lá de onde vocês vêm existe eletricidade?”) Seja patriótica mas nunca racista nem nacionalista, e responda a qualquer questão que coloquem sobre o seu país.

Republished by Blog Post Promoter

51 Conversa banal - Conversa banal

Conversa banal

As conversas iniciais são agora uma memória distante e você já é uma participante ativa no mundo social. Mas em festas, bares ou discotecas não tem necessariamente de querer partilhar a história da sua vida com todas as pessoas que lhe aparecerem pela frente. Quer apenas passar algumas horas. É aqui que entra a troca de banalidades. Sim, pode ser superficial, mas também é extremamente útil.

 

Além de ser interessante, esta mini conversa deve estabelecer:

1. Quem é quem.

2. Quem evitar.

3. Com quem falar a seguir.

Quando está a ter uma conversa banal socialmente evite os seguintes tópicos (pelo menos até ter tomado algumas bebidas ou se conhecerem bem): política, religião, salários, implantes mamários, celulite, pêlos, boys bands fabricadas, alpendres de jardim, verrugas, Afeganistão e telenovelas. Vai aborrecer ou assustar os pobres coitados de morte ou vão pensar que é uma

mentecapta. Depois de ter passado a fase das apresentações, pode perguntar: “Qual é a sua profissão?” É (normalmente) um tópico interessante e diz (sempre) muito sobre a pessoa com quem está a conversar.

Na conversa banal, o seguinte é obrigatório: não domine, oiça sempre e nunca interrompa a frase de outra pessoa só porque acha que sabe o que vão dizer ou quer concordar com elas.

E lembre-se, por vezes as pessoas simplesmente não desejam conversar ou podem ter outras coisas em que pensar. Se não obtém reação, não insista.

Republished by Blog Post Promoter

49 Local local local - Local, local, local...

Local, local, local…

As conversas informais em locais públicos, por exemplo, na fila do supermercado ou no autocarro, são em geral as mais difíceis, especialmente se a outra pessoa é um perfeito estranho. Seja guiada pelo seu tom de voz e o que a rodeia. Mantenha uma conversa simples e não receie concordar sempre até se sentir mais relaxada. “Sim, eu percebo o que quer dizer” ou “Sim, está mesmo frio, não está?” O mais importante é ouvir cuidadosamente, já que não está habituada ao tom de voz da outra pessoa.

Noutros ambientes sociais – visitas a casa de outras pessoas, restaurantes, bares ou clubes e, por vezes, no local de trabalho – é sempre útil ter alguns tópicos de conversa aos quais recorrer. Se os esgotar depressa, pondere, mas não exagere, nalgumas das ideias que se seguem. Se não está preocupada com o que vai dizer, mas somente quando e como, pode saltar esta parte.

Republished by Blog Post Promoter

64 Falar em público - Falar em público

Falar em público

Que assustador! Estar em frente a um mar de rostos aborrecidos – ou pior ainda -entusiasmados pode provocar-lhe vómitos e o desejo de se esconder simultaneamente. Mas, à medida que os tempos mudam, existem cada vez mais arenas em que se espera que uma mulher comande. Pode dar por si no topo da mesa de administração (em vez de estar a tirar notas no canto) ou a dirigir-se a uma multidão com um cuidadoso discurso de dama de honor. Seja o que for, com alguma ajuda, pode conseguir e ter sucesso. Deve apenas lembrar-se do seguinte:

1. Prepare-se. Familiarize-se com a sala com antecedência.

2. Utilize cartões para falar, mas tenha também o discurso completo escrito (para emergências).

3. Mantenha o olhar fixo num rosto amigável que esteja na frente, para acalmar os nervos.

4. Não tente parecer muito engraçada. Algumas piadas no início são suficientes.

5. Não se preocupe se corar ou tropeçar nas palavras – provavelmente as pessoas que estão a ouvir nem sequer repararam.

6. Seja sintética e foque assuntos importantes – quanto menos vezes mudar de assunto melhor.

7. Torne o discurso pessoal – será mais fácil de lembrar dessa forma.

8. Abrande – pode desejar sair dali rápido, mas também quer que as pessoas a oiçam.

9. Não tente chocar os outros – e seja politicamente correta (não deseja reclamações).

10. Lembre-se, é provável que o que esteja a dizer não seja muito importante para todos – eles provavelmente estarão a pensar na sua próxima refeição.

Republished by Blog Post Promoter

Time executed 0 seconds