Posts

78 Relações de trabalho - Relações de trabalho

Relações de trabalho

Vinte e oito por cento das leitoras da Cosmopolitan já fizeram sexo num parque de estacionamento depois de uma festa de Natal de trabalho. Tantas? Você estava obviamente demasiado ocupada para notar, mas não devia ter um pouco mais de discernimento? Se as relações entre colegas de trabalho terminam, haverá embaraço e estranheza e até os seus colegas notarão a tensão. Claro, vá para a cama com o seu chefe se gosta dele e ele a respeita, com ou sem sexo. Não durma com ele para obter um aumento ou para fazer ciúmes às outras mulheres da empresa. Se realmente começa uma relação, mantenha-a em segredo – mesmo que ele não esteja a dar-lhe qualquer tratamento especial, os seus colegas partirão do princípio que existe favoritismo. Em qualquer coisa que faça, não mostre familiaridade em frente aos outros. Já é doentio ver casais a babarem-se… mas o seu próprio chefe? As pessoas vão achar divertido e começarão a especular onde teve sexo (na secretária dele) e aquilo que ele diz enquanto o está a fazer (“Você é uma jovem administradora muito impulsiva, menina Jones!”) Seja justa com eles. Você também adora mexericos.

Se a leitora for a chefe, pense cuidadosamente em quem escolheu. É uma triste realidade, mas as mulheres ainda são etiquetadas na arena sexual e, se se apaixona por um jovem, as pessoas utilizarão as palavras “menino brinquedo” e “escandaloso”. Se ele vale a pena, silencie as críticas tendo uma relação decente e respeitosa. Mantenha o silêncio se for apenas por uma noite ou escolha os seus homens com mais cuidado.

Os romances no trabalho constituem, normalmente, uma péssima ideia. Primeiro, pode ser-se levada a pensar que se tem mais em comum do que a realidade só porque os dois detestam o idiota da contabilidade. Em segundo, se não resultar vai ter de aturá-lo a olhar para si do outro lado da sala ou vai andar a chorar pelas casas de banho porque o anormal a abandonou. Se gerar muita confusão, os seus colegas provavelmente sentir-se-ão tentados a ficar de um dos lados – o que não é bom, especialmente se tiverem pena dele em vez de si. Houve pessoas que já abandonaram empregos por bem menos que isso.